Como economizar em Viagens Internacionais

Com a supervalorização do euro, dólar e outras moedas internacionais em relação ao real, ficou ainda mais difícil de pensar em viajar. Mesmo assim, ainda somos bombardeados por diversas promoções para a Europa, Estados Unidos ou Ásia quase que semanalmente. É preciso levar em consideração de visitar algum desses locais, desde que com planejamento, pode ser mais vantajoso do que qualquer outro destino dentro do Brasil. Pensando nisso, selecionamos algumas dicas importantes para economizar na hora de fazer viagens internacionais! Confiram…

Opte por um destino com preços inferiores: esse é o principal ponto de partida. Existem diversos lugares interessantes no exterior, que possuem moedas desvalorizadas. Ou seja, não pesa tanto no orçamento! O Leste Europeu por exemplo, costuma ser bem mais barato do que o restante do continente. A América Latina também. Além de possuir diversas promoções de passagens, as moedas geralmente valem menos que a nossa. Mas é claro que isso não quer dizer que vocês precisem deixar de conhecer outros lugares! A dica é mesclar um local relativamente mais “caro” com outro mais acessível.

Evite viajar em alta temporada: boa parte das famílias brasileiras deixam para viajar no período entre junho e julho ou dezembro e janeiro. E é compreensível, já que costuma ser a época de férias escolares. Mas ter uma certa flexibilidade na hora de escolher a data da viagem pode te fazer economizar quase 40%, além de evitar grandes filas em pontos turísticos ou tumultos em aeroportos, por exemplo.

Economize nas passagens aéreas planejando com antecedência: jamais deixe para comprar sua passagem em cima da hora! Quanto mais perto da data de partida, maior o valor. Até mesmo nesse quesito é bom ter uma agenda flexível, já que existem programações que podem ser planejadas com antecedência e consequentemente, por um valor melhor. Tente ficar de olho nas promoções de passagens e quando surgir, não demore! É importante ter sempre uma segunda opção em mente, caso a primeira fique fora de seu orçamento.

Diminua deslocamentos: mesmo que conhecer várias cidades esteja em seu roteiro de viagem, tente otimizar através de mecanismos como o Stopover e afins. Para quem ainda não sabia, trata-se de uma “parada” de até 3 dias na cidade de conexão sem pagar nenhum valor extra para tal. Por isso, o planejamento deve ser excelente, começando pela compra da passagem. Tente mesclar seu locais de interesse até nas conexões! Passar mais tempo em um só local também pode ser mais interessante financeiramente, experimente.

Cuidado com as escolhas de hospedagens: obviamente, hospedar-se com o conforto de um hotel sempre trará valores superiores. Felizmente já existem diversas outras maneiras e ferramentas como o Airbnb, que possibilitam o aluguel de estabelecimentos de forma confiável e com um preço justo. E para os mochileiros de plantão, a dica é utilizar o couchsurfing, que funciona super bem para países da Europa, por exemplo.

Cuidado com as refeições: os restaurantes e refeições isoladas podem ser os principais “vilões” da viagem. Para economizar de verdade, busque sempre se alimentar como um morador local! Afinal, os estabelecimentos do centro histórico ou próximos a pontos turísticos sempre terão valores superiores. Afinal, o foco são os turistas! Caso você seja um amante da alta gastronomia, separe uma refeição para apreciar bons pratos, na frequência que lhe for cabível.

Faça uma lista com antecedência: caso haja intenção de compras no local de viagem, pense e anote tudo o que for prioridade. Dessa forma, é mais difícil desviar o olhar para artigos “superficiais”. Sem contar que com planejamento, há possibilidade de poupar o dinheiro para alcançar os seus objetivos. Afinal, tudo é prioridade. Mas antes das compras, pense: “será que preciso mesmo disso?”. Não se esqueça de anotar seus gastos, já que é o mínimo de organização esperado!

Opte por transportes públicos: utilizar de serviços de táxi ou afins em cidades estrangeiras pode lhe pesar o bolso. Como você é um turista, os caminhos serão desconhecidos. Assim, se o motoristas mudar o caminho ou der certas “voltas”, será difícil questioná-lo. Já os transportes públicos no exterior costumam ser de alta qualidade e disponibilizar um bilhete diário válido para vários locais de cidade, se não todos.

Por último, tente usar cartão de crédito apenas para emergência. As taxas de IOF podem acrescentar quase 7% de impostos em cima de suas compras! Para isso, opte por cartões pré-pagos ou utilize dinheiro em espécie.